segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Meet Portugal's Boy Genius

Some coaches get their shot with a major club at a relatively tender age (in coaching years, anyway). Barcelona's Pep Guardiola was 37 when he got the gig.

Porto's coach Andre Villas Boas, seen during a September press conference in Sofia, Bulgaria.

.And there are those who get a crack at the big time without ever having played beyond amaetur level, like Aston Villa's Gerard Houllier. There's another, smaller subset which includes those who advanced to top jobs with little or no head-coaching experience, like Real Madrid's Jose Mourinho when he took over at Benfica.

But the above examples are all rare. Rarer still is a guy like Porto boss Andre Villas Boas, who falls squarely in all three categories and, if his vertical ascent continues, could herald a change in the way clubs recruit managers.

Mr. Villas Boas's side goes for its 12th consecutive win in a competitive match on Monday night when it makes the short drive inland to take on Vitoria Guimaraes. Right now, Porto is 11 for 11 in the Portuguese League, Europa League and Portuguese SuperCup. What's more, it has shut out the opposition in all but two games. And it did it despite the departure of two stalwarts – defender Bruno Alves and midfielder Raul Meireles – over the summer.

All of this is remarkable enough until you consider that Mr. Villas Boas is just 33 years old and, prior to this season, had just 23 league games' worth of managerial experience, all of them at Academica Coimbra, the provincial club which appointed him just over a year ago. When he took charge of Academica, it was winless and dead last. By the time the season was over, Mr. Villas Boas had guided it to respectability (11th place in the 16-team league) and to the semifinal of the Portuguese League Cup.

It was enough for Porto – one of the traditional Portuguese giants – to put its eggs in Mr. Villas Boas's basket in an attempt to bounce back from a rare season which saw it finish third, only the second time since 2002 that it failed to win the league.

Mr. Villas Boas was still a teenager when he started working in Porto's scouting department way back in the mid-1990s. The club was impressed both by the breadth of his tactical understanding and his ability to produce scouting reports players could digest easily. Yet he may never have gone any further if, in early 2002, the club had not turned to Mr. Mourinho, himself an unorthodox rising star of management. Mr. Mourinho took him under his wing, making Mr. Villas Boas an integral part of his staff, both at Porto, where he won two league titles, the Champions League and the UEFA Cup and later during his successful spells at Chelsea and Inter Milan. By the time he moved to Chelsea, Mr. Villas Boas's pre-match scouting included personalized DVDs for each player, outlining their direct opponent in the next game, including strengths, weaknesses and tendencies.

Given Mr. Mourinho's reputation, it was quite the calling card, and Mr. Villas Boas openly admits that it helped him land the Academica job. But he bristles at those who consider him Luke Skywalker to Mourinho's Yoda. Or, among his detractors, Mini Me to the self-anointed "Special One's" Dr. Evil.

While Mr. Villas Boas employs the 4-3-3 formation Mr. Mourinho used to such great effect at Chelsea, it's a more fluid system, with the wingers often turning into strikers. He lacks Mr. Mourinho's charisma – that unparalleled ability to seduce players, media and fans – and comes across as less confrontational and self-assured. On the other hand, he may be more tactically sophisticated and his Porto squad attacks more than Mourinho's teams at Chelsea and Inter (the jury's still out on Real Madrid).

It's tempting to call Mr. Villas Boas soccer's answer to Theo Epstein, who rose from the San Diego Padres' public relations department to become general manager of the Boston Red Sox at age 29. Both are outsiders who brought a novel approach to understanding the sport and landed important jobs at a young age. But the crucial difference is that Mr. Villas Boas's role is far more hands-on, running training sessions and making all the game-day decisions.

He's an interloper in the inner sanctum, having never played the game at any significant level. And while he's not the first to do so, those who came before him, like Mr. Houllier, served long apprenticeships working their way up through the lower leagues.

Mr. Villas Boas's appointment obviously owes a lot to his mentor. But it's also a bold move, a striking departure from the groupthink and conventional wisdom so prevalent in soccer. You'll know whether it worked the day you read a profile of Mr. Villas Boas that does not mention Mr. Mourinho.

A Budding Brain in the Bundesliga

Another young manager is making waves in Germany's Bundesliga. Saturday's 4-2 win over Hoffenheim made it seven straight wins to start the season for Thomas Tuchel and Mainz, matching a record held by Bayern Munich (1995-96) and Kaiserslautern (2001-02). It's particularly remarkable when you consider that the 37-year-old Mr. Tuchel is only in his second season as manager and that Mainz is historically a small club with a shoestring budget. (It only gained promotion to the Bundesliga two years ago.)

LIke Mr. Villas-Boas, Mr. Tuchel's path to the top has been somewhat unorthodox. When forced to retire from injury at 24, he chose to enroll in university while coaching youth teams on the side and tending bar a few nights a week to pay his tuition. He soon developed a reputation as a workaholic talent-spotter with a knack for developing players. Mainz appointed him last summer and now, in his second season in charge, he sits atop the Bundesliga.

Mr. Tuchel's formula for success is a blend of tactical know-how and flexibility (he often switches formations several times in the course of a single game), hard work (he spends four to five hours a day reviewing film, both games and training sessions) and some new-age management techniques (he demands players look each other in the eye when greeting one another and everyone gets addresed by their first name.)

The Bundesliga is perhaps the most balanced and unpredictable of Europe's top leagues, so it's too early to crown Mr. Tuchel as the next big thing. But Mainz has already beaten such heavyweights as Werder Bremen, Bayern Munich and Wolfsburg (the last two on the road), suggesting that perhaps the hype is not entirely misplaced.

in "wsj.com"

Villas-Boas sem mimos na hora das decisões

O desagrado de Hulk ao ser substituído, frente a Rapid Viena e CSKA Sofia, pode ser analisado superficialmente por quem preferir seguir essa via, mas as razões que estão a montante dessas reações do Incrível têm raízes bem mais profundas. É que, na época passada, Jesualdo Ferreira apenas substituiu o brasileiro por três vezes numa temporada onde, apesar do castigo subsequente ao túnel da Luz, ainda foi titular em 28 ocasiões em todas as competições.

Com Villas-Boas, não há mimos na hora de tomar decisões. Nos últimos 4 jogos, Hulk foi sempre substituído (Rapid, Nacional, Olhanense e CSKA), superando em apenas duas semanas o número de saídas de campo com que o camisola 12 teve de lidar em 2009/10.

De resto, mesmo as situações em que o professor decidiu que Hulk não deveria terminar o encontro em campo foram muito peculiares. Foram 3 jogos oficiais consecutivos, mas com um interregno forçado de permeio. É que o Incrível foi poupado 9 minutos frente ao V. Setúbal, a pensar na Luz, também foi rendido contra o Benfica e ao voltar de castigo, em meados de Fevereiro, também não terminou o desafio perante o Arsenal.

A partir dessa data, a 17 de fevereiro, abriu-se um ciclo de praticamente 7 meses até Hulk voltar a ser substituído, perante o Rapid, a 16 de setembro. Se ao mostrar-se agastado, o brasileiro pensava que estaria a condicionar as opções de Villas-Boas no banco, em encontros futuros, a realidade mostra que o tiro lhe saiu furado. Em concreto, o avançado azul e branco não cumpre os 90 minutos de um jogo desde a receção ao Braga, a 11 de setembro.

Memória

Curiosa é a forma como o protagonismo muda o comportamento dos jogadores. Quando chegou ao FC Porto, em 2008/09, Hulk teve de saltar do banco nos primeiros 9 jogos, foi titular pela primeira vez somente na derrota contra o Leixões, voltando a sentar-se no banco mais algumas semanas até se consolidar nas opções iniciais. Em 43 jogos realizados, foi titular em 28 e substituído em 13, quase metade das ocasiões, sem nunca ter reclamado.

in "record.pt"

V. Guimarães-F.C. Porto (antevisão): Machado assusta o Dragão?


Manuel Machado recordou a história mas desconhecia um facto. O actual treinador do Vitória de Guimarães foi mesmo o último a abater o F.C. Porto, no clube da Cidade Berço. Ainda garantiu um empate e, desde então, oito triunfos consecutivos dos dragões, aligeirando o tradicional cenário de dificuldades azuis e brancas nestes duelos.

Oito triunfos frente ao Vitória, onze na série actual de André Villas-Boas, num Dragão sem sinais de cansaço nem sobranceria. Último obstáculo antes de mais uma pausa competitiva, objectivo repetido pelo timoneiro portista: mais uma celebração antes do descanso activo. O duelo está agendado para esta 2ª feira, no D. Afonso Henriques.

Primeiro, a tal história que serve de alento para os vitorianos. Manuel Machado não é particularmente feliz nos duelos com o F.C. Porto, mas reserva um dado na cartola. A 27 de Outubro de 2004, há qualquer coisa como seis anos, conduziu os homens de Guimarães ao último triunfo frente ao rival desta segunda-feira.

Apenas dois empates na Liga

No mais, um cenário cinzento para Machado. 16 duelos na Liga portuguesa, 2 empates, 0 vitórias. Passou por Moreirense, V. Guimarães, Nacional, Académica e Sp. Braga sem triunfar no campeonato. Festejou apenas na Taça de Portugal e na Taça da Liga. Comecemos pelas memórias de 2004/05.

O F.C. Porto via Mourinho (e Villas-Boas) ao longe, caindo na 4ª eliminatória da Taça. Dois golos de Nuno Assis, derrubando os dragões à primeira. No banco, Manuel Machado com António Jesus, recém-falecido, como adjunto. Do outro lado, Victor Fernández. Este é, repete-se, o capítulo mais feliz da história de Machado contra os azuis e brancos.

O embate da Taça da Liga (2-1), em 2008/09, perde importância face ao onze de segunda linha apresentado por Jesualdo Ferreira. Sapunaru, agora recuperado desportivamente, marcou o tento azul e branco. Ruben Micael abriu caminho para a vitória do Nacional, jogando ao lado de outro actual dragão, Maicon.

Regra azul contra as excepções

Destacadas as excepções, ficam duas regras a favor do F.C. Porto: 16 jogos de Machado como adversário, 14 triunfos azuis e brancos; 8 vitórias nos últimos 8 confrontos com os homens de Guimarães.

Este registo recente é extremamente positivo para a equipa da Invicta: são oito triunfos, 24 golos marcados e apenas 3 sofridos! Uma média de três tentos azuis por jogo.

André Villas-Boas move-se com leveza impressionante, ao volante de uma máquina oleada, com peças a mais para uma engrenagem imune a mudanças. A gestão de esforço não afectou a produtividade do F.C. Porto, que lidera na Liga e na Europa. O jovem treinador pede mais 90 minutos de brilho aos seus homens. Mariano González é o único indisponível.

Os dragões devem recuperar a fórmula doméstica, com Fucile, Otamendi, Fernando e Varela no onze. O tempo irá tirar as últimas dúvidas, sobretudo em relação ao lateral direito, uma vez que Sapunaru tem mais cabedal para enfrentar uma eventual tempestade.

Em Guimarães, reaparece Tiago Targino. O extremo volta à lista de convocados do Vitória, sete meses após uma lesão grave. Manuel Machado continua a promover rotatividade circunstancial, sem olhar a nomes. Desta vez, principal do peso-pesado Douglas, para entregar a frente de ataque a Edgar, um ex-dragão.

EQUIPAS PROVÁVEIS

V. GUIMARÃES: Nilson; Alex, Ricardo, Freire e Bruno Teles; Cléber; João Alves, João Ribeiro e Edson Sitta; Toscano e Edson.

Outros convocados: Serginho, João Paulo, Flávio Meireles, Pereirinha, Rui Miguel, Targino e Faouzi.

F.C. PORTO: Helton; Sapunaru, Rolando, Otamendi e Alvaro Pereira; Belluschi, Fernando e João Moutinho; Hulk, Falcao e Varela.

Outros convocados: Fucile, Maicon, Souza, Guarín, Ruben Micael, Rodriguez e Walter.

in "maisfutebol.iol.pt"

Um não perde em casa o outro em lado nenhum

Frases feitas, lugares comuns, clichés. Aceita-se como natural e incontestável a ideia de que Guimarães é, ou costuma ser, uma deslocação difícil. Mas, os resultados do FC Porto nos últimos oito anos até sugerem o contrário: os portistas já não perdem em Guimarães para o campeonato desde 2001/02 e, nas últimas três épocas, garantiram outras tantas goleadas (0-5; 1-3; 1-4, numa apreciável média de quatro golos por jogo). Claro que contrariar o lugar comum não significa que ele se anula automaticamente. Há perigos à espreita na caminhada para a 12ª vitória consecutiva do FC Porto, quanto mais não seja porque este Guimarães de Manuel Machado - contra quem Villas-Boas empatou a três golos no Académica-Nacional da temporada passada - ainda não perdeu em casa. Aliás, a única derrota foi em Coimbra, na jornada passada.

No plano de gestão de Villas-Boas, Fernando volta à equipa e Fucile pode também recuperar a titularidade. Se assim for, sobram duas dúvidas. Uma no centro da defesa, já que Rolando não saiu do onze por ter errado, e outra no meio-campo, podendo surgir Rúben Micael no lugar de Belluschi. Manuel Machado volta a ter Targino oito meses depois.

Fernando de volta ao comando
 
O FC Porto volta à dinâmica habitual, com Fernando reintegrado na equipa depois da jornada europeia, em que as limitações físicas determinaram a substituição por Souza.

O meio-campo da equipa de André Villas-Boas recupera, assim, o seu pilar principal. Aliás, Fernando surge como um dos poucos imprescindíveis do colectivo, a julgar por um início de temporada em que só não pôde jogar em Sófia, tendo sido sempre titular nos outros encontros.

Com ele na equipa (conforme se pode ver pelos números na coluna da página ao lado), o colectivo recupera um equilíbrio defensivo que Souza, por falta de rotina na posição e por ser um jogador de caraterísticas diferentes, tem mais dificuldade em proporcionar, isto apesar de Villas-Boas ter ficado satisfeito com o seu rendimento em Sófia, conforme sublinhou publicamente."Fernando é um jogador que procura mais o passe curto, o transporte da bola e a saída com bola. O Souza oferece uma visão de jogo à distância que Fernando não é capaz de oferecer. Nesse sentido, são jogadores diferentes, que oferecem outro tipo de dinâmicas à equipa", explicou Villas-Boas.

O regresso de Fernando à titularidade, após ter ultrapassado a lesão, acentua uma importância que Jesualdo Ferreira já tinha como certa. Com Jesualdo no comando, Fernando fez 25 dos 30 jogos do último campeonato, e só não terá sido totalista porque uma lesão o obrigou a parar.

Com Villas-Boas, o meio-campo do FC Porto tem sofrido algumas alterações cirúrgicas, não só na forma de jogar, privilegiando a posse, mas também nos protagonistas. No triângulo do treinador portista, Fernando e João Moutinho aparecem como vértices mais sólidos, abrindo caminho a algumas experiências e à rotatividade: Souza, Rúben Micael, Belluschi, Castro a espaços e, ultimamente, Guarín já entraram no "carrossel" da gestão, cada um a seu tempo. A resposta positiva das alternativas, somada ao desgaste da semana europeia, pode precipitar mudanças.

O polvo em números

77 Recuperações

Os benefícios para o colectivo são facilmente contabilizáveis, ou não fosse Fernando, por exemplo, o médio com mais bolas recuperadas (77) na zona intermediária do FC Porto, em jogos do campeonato. Este valor entende-se em consequência das funções desempenhadas em campo pelo brasileiro e completa-se com a definição dada por André Villas-Boas na antevisão do jogo com o Guimarães (ver peça principal).

48 Perdas de bola

Como jogador do meio-campo que menos riscos assume em relação aos seus companheiros de sector, mais ofensivos, Fernando só perdeu 48 vezes a bola. Mas para que o termo de comparação seja claro, importa referir que João Moutinho perdeu 62 vezes a bola e que Belluschi já vai em 92. Fernando gosta dos passes curtos, pela certa.

6 Remates à baliza

Onde o brasileiro revela traços de mudança já constatados ao longo dos jogos desta temporada é no capítulo dos remates à baliza. Aqui, o Polvo já conseguiu estender os seus tentáculos mais longe, que é como quem diz, assumiu poder decisório, como sublinhou André Villas-Boas ao caracterizar o seu colectivo, ao ponto de já ter alvejado a baliza contrária em seis ocasiões. O golo que marcou foi na Liga Europa...

0 Cartões amarelos

Fernando não conta qualquer admoestação no seu cadastro esta época na Liga Zon Sagres, o que, tendo em conta que até pode correr o risco de se ver colocado em situações de aperto e de ter de as resolver recorrendo a faltas de recurso, é sempre mais um factor a seu favor. Para já, o cadastro limpo demonstra não só a sua boa colocação em campo, como a boa leitura de jogo que tem feito.

in "ojogo.pt"

Relaxar é proibido no F. C. Porto

Na teoria, entre Sófia e Guimarães aumenta a dificuldade. Villas-Boas deu o mote, ao proibir o relaxamento, e o objectivo é o esperado: chegar à 12.ª vitória. Mas, Machado, do Guimarães, também joga com o número 12 e pede ao público para ser esse jogador extra.

A semana que antecedeu este Guimarães-F. C. Porto foi branda no que às declarações diz respeito. A presença portista na Liga Europa também diversificou as atenções. Mas é antiga a rivalidade entre os dois clubes. É o tal “lado emocional”, oportunamente referenciado por André Villas-Boas e que obriga sempre a cuidados extra.

Na antevisão ao desafio, Villas-Boas e Manuel Machado estabeleceram uma espécie de pacto de não agressão. Reservaram a discussão do resultado para as quatro linhas. O técnico portista elogiou Machado, pela montagem das equipas e pelo historial de vitórias. O treinador vimaranense destacou a inteligência do seu homólogo do Dragão. Uma coisa os une, a vontade de ganhar, uma coisa os separa, os objectivos de cada clube. Ambos eliminam do léxico das suas equipas a palavra relaxamento, ambos reconhecem perseguir metas distintas: o F. C. Porto corre pelo título e pelo regresso à Champions, o Guimarães aspira a uma classificação condigna com direito a penetrar na Liga Europa.

No plano dos discursos, o raio de acção aponta para este quadro, mas os minhotos, por partirem como menos favoritos, não vão estender qualquer passadeira ao líder da Liga. Se o F. C. Porto quer chegar ao número mágico das 12 vi tórias seguidas, também Machado recorre à sigla 12, para cativar o seu público e fazer dele um jogador extra. “Sabemos bem como o Guimarães tira partido do factor casa”, ripostou, bem avisado, o técnico dos azuis e brancos.

Fernando regressa ao onze

Com todos os jogadores ao dispor, Villas-Boas deve retomar a fórmula usada para derrotar o Olhanense, na 6.ª jornada. A ida a Sófia, a meio da semana, foi um jogo de contornos diferentes. Hoje, Fernando e Varela voltam ao onze, o mesmo podendo acontecer com Fucile e Rolando, suplentes não utilizados na Bulgária. Titular nos últimos dois jogos, o internacional argentino Otamendi não tem comprometido e, por isso, é de prever que seja o escolhido para emparceirar com Rolando, saindo a perder, nesta hipótese, o outro central, Maicon.

Rúben Micael, o médio a quem Villas-Boas projecta grande futuro na selecção, também recuperou e é opção, mas não jogará de início. Sem lugar na viagem ao Minho ficaram os esperanças Castro e James. Castro foi a Sófia, porém acabou por não fazer parte da ficha do jogo, enquanto que James continua sem conseguir abrir portas para se mostrar. Ter sido suplente com o CSKA já foi um prémio e um estímulo.

in "jn.pt"

Dragão, uma fortaleza ambulante


Fora de casa, o FC Porto é uma espécie de fortaleza que anda, um cofre-forte com rodas ou com asas, um impressionante blindado que soma já 540 minutos sem sofrer golos. São seis jogos invictos, seis jogos com uma defesa inviolável.

A comprovada solidez do dragão estende-se quase totalmente aos 11 jogos oficiais que já realizou, nove dos quais sem golos sofridos, mas é realmente nos ambientes adversos que se destaca essa capacidade superior para lidar com os adversários e as bancadas em fúria: ninguém, até agora, ousou perturbar a boa paz que a equipa de André Villas Boas oferece, num vistoso véu branco que cobre o novo dragão, sempre que sai de casa.

São nove horas de inviolabilidade longe do Dragão, um raro acumulado de competição rigorosamente à prova de adversários, seja qual for a respectiva cotação: esta série de jogos sem sofrer golos fora de casa começou em ambiente escaldante e neutro (Aveiro) mas com o campeão nacional pela frente, e, depois, foi-se alargando à Figueira da Foz, à Bélgica, a Vila do Conde, à Madeira, até Sófia, na distante Bulgária.

in "abola.pt"

Ordos: FC Porto vence super final

O FC Porto foi o grande vencedor da Super Final da jornada chinesa da Superleague Formula, disputada este domingo, em Ordos. O carro azul e branco, tripulado por Earl Bamber na ausência de Álvaro Parente, conseguiu um terceiro e um décimo segundo lugares nas duas mangas, desfechos que permitiram aceder à corrida decisiva e, depois de várias contingências, alcançar o lugar mais elevado do pódio.

O FC Porto é agora nono da geral da Superleague Formula.

“Comecei o fim-de-semana como comentador e estou a terminá-lo no pódio. É uma loucura. Foi uma experiência muito positiva porque aprendi muito e foi muito bom voltar às corridas com a Superleague Formula. Os carros são um verdadeiro desafio quando os queremos levar mesmo aos limites. A Super Final foi uma das melhores corridas em que alguma vez estive envolvido", resumiu Earl Bamber no final, visivelmente satisfeito.
 
in "fcp.pt"